ARTIGO: A Páscoa, o consumismo e as crianças

Por RAFAELLA IWAKURA


Se você tem filhos, com certeza já pensou em questões de consumo quando chega uma data comemorativa. Como comprar? O que comprar? Como falar de consumo responsável com os filhos?


Falar de consumo consciente é se importar com sustentabilidade e o impacto social de suas escolhas sob a ótica da importância do equilibro entre toda a sociedade. Significa falar de valores. Ensinar que Ser é melhor que Ter. Que ter demais não faz uma pessoa melhor que outra, e que o saber é o passaporte para a realização dos seus sonhos.


Após ensinar seus valores aos seus filhos com amor, diálogo, respeito e equilíbrio, você vai poder entrar com eles no mercado ou shopping tranquilamente quando chegarem as datas comemorativas. Um discurso firme, leve e claro não tem como ser ignorado, e será compreendido pelas crianças, pois, sim, elas são capazes de aprender.


Assim, se seu filho perguntar hoje se pode escolher os ovos que vai ganhar na Páscoa, você terá a oportunidade de ensinar que tudo tem sua hora. Que no dia certo o ‘coelhinho’ vai deixar um ovo em casa. Não tem problema presentear a criança com ovo de Páscoa. Não tem problema ela querer ovo de páscoa com brinquedo. Ufa! Ela é criança e quer brincar. Ainda bem! Os brinquedos são ruins? Ruins pra quem? Sobre qual ponto de vista? Para as crianças, esse brinquedo será a oportunidade para abrir a janela da imaginação, de aguçar o desejo de brincar.


Se a formação da criança vier com participação da família, da escola e da sociedade, o que é positivo se apresenta nas atitudes e nas escolhas de forma natural. Isso acontece quando focamos a educação para o fortalecimento, autonomia e pensamento crítico. Se seu filho for ganhar ovos de Páscoa dos avós e tios, por exemplo, não se desespere. Você tem algumas opções para lidar com isso, como comprar um ovo de um pequeno produtor e, assim, contribuir com a economia local; doar um dos ovos ganhos por seu filho a uma criança carente; trocar o ovo de Páscoa por algo simbólico ou representativo para a criança; entre outras atitudes.


Não transforme as datas comemorativas num suplício moral e financeiro. É triste tornar tudo triste. Tudo imposição. Ninguém deve e nem pode se sentir oprimido, obrigado. Todos têm o direito de escolher e podem escolher a vida que quiserem, sem se sentirem marginalizados ou banalizados.


Nada na vida é bom quando é extremo, radical ou imposto, pois se perde a chance de conhecer o outro lado. De ouvir, aprender, tolerar, dividir e conviver. Ninguém pode dizer a medida ideal pra você, até porque ela não existe. A medida ideal é diferente para cada um, para cada família.


Permita que, na medida ideal para a sua família, seu filho possa viver a Páscoa de um jeito divertido, com muita brincadeira e fantasia. Podendo saborear a diversão junto com os amigos e a família. Uma Páscoa com sabor de amor e união.


*Rafaella Iwakura é mãe, jornalista e editora do projeto Eduque Com Carinho.

Últimas notícias

Desenvolvido por

 

 

logocmmais.png